Autonomia e flexibilidade curricular: caminhos e desafios na ação educativa

Main Article Content

Sónia Alves
http://orcid.org/0000-0001-7454-9707
Olga Madanelo
http://orcid.org/0000-0002-6320-7477
Maria Martins
https://orcid.org/0000-0001-5935-176X

Resumo

Nas últimas décadas, a Escola portuguesa não só conseguiu ultrapassar os desafios do alargamento da escolaridade obrigatória, com também reduzir significativamente o abandono e insucesso escolar; ainda assim, subsistem dificuldades na aplicação dos conhecimentos pelos alunos, o contexto socioeconómico permanece determinante no sucesso escolar e o desinteresse e indisciplina, aliados ao predomínio de metodologias pedagógicas tradicionais, continuam a afetar negativamente a aprendizagem. São estas debilidades que justificam a adoção de um paradigma educativo focado no desenvolvimento de competências adequadas aos desafios contemporâneos, para formar cidadãos com saberes diversificados, que sustentem a ação intencional e refletida. O Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória (PA) assegura a convergência das decisões de organização e gestão curriculares, nos diferentes percursos formativos, definindo princípios, valores e áreas de competências a desenvolver. As Aprendizagens Essenciais explicitam os conteúdos indispensáveis, os processos cognitivos a ativar e o saber fazer associado; sugerem também ações estratégicas de ensino orientadas para as competências previstas no PA. No novo currículo para o ensino básico e secundário (Decreto-Lei n.º 55/2018, de 6 de julho), confere-se mais autonomia às Escolas para tomarem decisões que visem a melhoria da qualidade do ensino e aprendizagem, a efetivação da educação inclusiva, a implementação da coautoria curricular na gestão interdisciplinar do currículo, a educação para a cidadania e desenvolvimento e a integração da avaliação no desenvolvimento curricular. A flexibilidade curricular pretende garantir a todos o direito à aprendizagem e ao sucesso educativo, pela adequação da ação educativa às especificidades do aluno e Escola, pela contextualização interdisciplinar dos saberes e pela promoção de aprendizagens ativas e significativas. Nos Domínios de Autonomia Curricular, o aluno é agente da construção de conhecimento pela ação, em ambientes de aprendizagem diferenciados e colaborativos. A avaliação formativa assume uma função reguladora do ensino e da aprendizagem, fundamentando adequações e readaptações, e gera feedback sobre dificuldades e potencialidades, promovendo a autorregulação das aprendizagens.

Palavras-chave: Autonomia curricular, Flexibilidade curricular, Perfil dos alunos, Aprendizagem ativa

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abelha, M. (2011). Trabalho colaborativo docente na gestão do currículo do Ensino Básico: do discurso às práticas. Tese de Doutoramento em Didática. Aveiro: Universidade de Aveiro. Disponível em http://hdl.handle.net/10773/3718

Bastos, F. (2015). Trabalho colaborativo entre docentes num território educativo de intervenção prioritária. Estudo de caso. Tese (Doutoramento em Educação) Universidade Portucalense Infante Dom Henrique. Disponível em http://hdl.handle.net/11328/1301

Boavida, A. & Ponte, J. (2002). Investigação Colaborativa: Potencialidades e Problemas. Disponível em http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/jponte/docs-pt%5C02-Boavida-Ponte(GTI).pdf

Cabral, I. (2019, 20 de março). Metodologia de trabalho de projeto – aprendizagem significativa ou mero show off? Disponível em https://ilidiacabral.weebly.com/educere/metodologia-de-trabalho-de-projeto-aprendizagem-significativa-ou-mero-show-off

Caraça, J. (2005). Compreender as paixões, amar as razões. Comunicação apresentada no Ciclo de Seminários/Conferências "Espelhamento, Interrogação e Metamorfose" realizado no âmbito do Curso de Doutoramento de Base Curricular em Didática. Aveiro: DDT — Universidade de Aveiro.

Cohen, A. C., Fradique, J. (2018). Guia da Autonomia e Flexibilidade Curricular. Lisboa: Raiz Editora.

Cosme, A. (2009). Ser professor: a acção docente como uma acção de interlocução qualificada. Porto: Livpsic.

Cosme, A. (2017). Apresentação da articulação curricular e interdisciplinaridade: contributo para uma reflexão. Disponível em https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Curriculo/Projeto_Autonomia_e_Flexibilidade/articulacaocurricular_aveiro.pdf

Cosme, A. (2018). Autonomia e Flexibilidade Curricular. Propostas e estratégias de ação. Porto: Porto Editora.

Decreto-Lei n.º 55/2018, de 6 de julho ̶ Estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário e os princípios orientadores da avaliação das aprendizagens. Disponível em https://data.dre.pt/eli/dec-lei/55/2018/07/06/p/dre/pt/html

Dias, P. A., Ribeiro, C. (2015). Supervisão pedagógica e crescimento profissional no processo de avaliação de desempenho docente. Revista Gestão e Desenvolvimento, 23 (2015), 125-154.

Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania. (2017). Lisboa: DGE/Ministério da Educação.

Fernandes, D. (2011). Articulação da aprendizagem, da avaliação e do ensino: questões teóricas, práticas e metodológicas. Porto Editora. Disponível em http://hdl.handle.net/10451/6988

Fernandes, D. (2013). Avaliação em educação: uma discussão de algumas questões críticas e desafios a enfrentar nos próximos anos. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 21(78), 11-34. https://doi.org/10.1590/s0104-40362013005000004

Fernandes, D. (2014).Avaliação das aprendizagens e políticas educativas: o difícil percurso da inclusão e da melhoria. In M. L. Rodrigues (Org.) (2014). Quarenta anos de políticas de educação em Portugal: A construção do sistema democrático de ensino. Volume I. Coimbra: Almedina, 231-268. Disponível em http://hdl.handle.net/10451/16010

Ferreira, A. S., Flores, I., Casas Novas, T. (2017a). Introdução ao estudo – Porque melhoraram os resultados PISA em Portugal? Estudo longitudinal e comparado (2000 2015). Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Ferreira, A. S., Flores, I., Casas Novas, T. (2017b). Porque melhoraram os resultados PISA em Portugal? Estudo longitudinal e comparado (2000 2015). Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Freire, P. (1993). Política e Educação. São Paulo: Cortez Editores.

Gaspar, H., Ribeiro, H. (2016). “A pedagogia – ao longo dos tempos”. Revista Gestão e Desenvolvimento, 24 (2016), 191-211.

Justino, D., Santos, M. E. B. (2017). Estado da Educação 2016. Lisboa: CNE.

Marôco, J. (Coord.) (2016). PISA 2015 – Portugal Volume I: Literacia Científica, Literacia de Leitura & Literacia Matemática (Vol. I). Lisboa: Instituto de Avaliação Educativa.

Martins Barata, J. P. (2005). As Ciências da Complexidade, sinal ou motor da vontade de Unificação Cultural, Comunicação apresentada no Ciclo de Seminários/Conferências "Espelhamento, Interrogação e Metamorfose" realizado no âmbito do Curso de Doutoramento de Base Curricular em Didáctica. Aveiro: DDT - Universidade de Aveiro.

Martins, G. O., Gomes, C. S., Brocardo, J. L., Pedroso, J. V., Acosta Carrillo , J. L., Ucha, L. M., Encarnação, M., Horta, M. J., Calçada, M. T., Nery, R. V., Rodrigues, S. V. (2018). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória. Lisboa: Ministério da Educação. Homologado pelo Despacho n.º 6478/2017, de 26 de julho. Disponível em https://dge.mec.pt/sites/default/files/Curriculo/Projeto_Autonomia_e_Flexibilidade/perfil_dos_alunos.pdf

Mendonça, A. T. P., Cosme, A. (2018). “A transformação das práticas profissionais docentes tendo como referência a metodologia TELESSALATM”. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista – Bahia – Brasil, v. 14, n. 30, 376-392, out./dez. 2018. https://doi.org/10.22481/praxis.v14i30.4373

Palmeirão, C., Alves, J. M. (Coord.) (2017). Construir a autonomia e a flexibilização curricular: os desafios das Escolas e dos professores. Porto: Universidade Católica Editora.

Pereira, F. (Coord.) (2018). Para Uma Educação Inclusiva – Manual de Apoio à Prática. Lisboa: Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação (DGE).

Rodrigues, S. V. (2018). “Três modos de organizar sequências de aprendizagem interdisciplinares com base nas Aprendizagens Essenciais”. Disponível em http://www.dge.mec.pt/sites/default/files/boletim/aprendizagens_essenciais_consolidacao-articulacao.pdf

Roldão, M. C. (2007). Colaborar é preciso: Questões de qualidade e eficácia no trabalho dos professores. Revista Noesis, 71, 24-29.

Roldão, M. C., Almeida, S. (2018) . Gestão Curricular Para a Autonomia das Escolas e Professores. Ministério da Educação / Direção-Geral da Educação (DGE).

Roldão, M. C., Peralta, H., Martins, I. P. (2017). Para a Construção de Aprendizagens Essenciais Baseadas no Perfil dos Alunos. Disponível em http://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Curriculo/Projeto_Autonomia_e_Flexibilidade/ae_documento_enquadrador.pdf

Sá-Chaves, I. (2007). A interligação dos conceitos de Didáctica, Avaliação e Supervisão na acção pedagógica. Uma perspectiva de (re)configuração epistemológica. In A. Lopes (Org) (2007). De uma Escola a outra: temas para pensar a formação inicial de professores. Porto: Afrontamento, 51-62.

Sousa, H. D. (Dir.) (2017). Exames Finais Nacionais – Ensino Secundário, Relatório Nacional: 2010-2016. Lisboa: IAVE.

Tomlinson, C. A (2008). Diferenciação pedagógica e diversidade. Porto: Porto Editora.

Trindade, R. (2018). Autonomia, flexibilidade e gestão curricular: relatos de práticas. Lisboa: Leya Educação.

Trindade, R., Cosme, A. (2016). Instruir, aprender ou comunicar: Reflexão sobre os fundamentos das opções pedagógicas perspetivadas a partir do ato de ensinar. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 16, n. 50, 1031-1051, out./dez. 2016. https://doi.org/10.7213/1981-416x.16.050.ao01