As plataformas informáticas como instrumentos de regulação da organização e gestão escolar

Main Article Content

Ana Paula Xavier Catalão
Carlos Augusto Pires

Resumo

O presente artigo integra um estudo no âmbito da Administração Educacional, que tem como objeto o papel das plataformas informáticas na organização e gestão da escola pública. Com este estudo pretendeu-se: conhecer as representações do conceito e das funções das Plataformas Informáticas (PI); analisar as implicações das PI no trabalho do diretor de escola e nas conceções e funções de gestão; compreender a ação e o papel do Estado através das PI, enquanto instrumentos de regulação. Tratando-se de um estudo de natureza qualitativa, as opções metodológicas incidiram em entrevistas semiestruturadas a diretores de agrupamentos de escolas e a dirigentes de topo da Administração Central da Educação e na análise de conteúdo baseada num sistema de categorização misto e apoiada em software de análise de dados qualitativos. Através dos resultados, verificamos que as plataformas informáticas estão omnipresentes nos processos de gestão escolar desde a gestão de pessoal à gestão pedagógica, surgem como instrumentos facilitadores da ação da gestão e constituem um meio de simplificação da ação do diretor, mas também do enviesamento das suas funções. O estudo permitiu compreender que o papel e a ação do Estado são de controlo e de exercício do poder anónimo. O Estado, sob a bandeira da modernização na gestão e da intensificação de processos de descentralização, exerce uma ação mediada por plataformas informáticas, que permite um maior controlo sobre os atores escolares e consequentemente um reforço do centralismo.

Palavras-chave: Plataforma informática, Gestão escolar, Regulação da educação, Instrumento de regulação

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Afonso, N. (2004). A globalização, o Estado e a escola pública. Administração Educacional, 32-42.

Barroso, J. (2003). Regulação e desregulação nas políticas educativas: Tendências emergentes em estudos de educação comparada. Em J. Barroso (org.), A Escola Pública – Regulação, descentralização, privatização (pp. 19-48). Porto: Edições Asa.

Barroso, J. (2005a). Políticas Educativas e Organização Escolar. Lisboa: Universidade Aberta.

Barroso, J. (2005b). O Estado, a educação e a regulação das políticas públicas. Educação & Sociedade, 26(92), 725-751. https://doi.org/10.1590/s0101-73302005000300002

Barroso, J. (2006). A autonomia das escolas: retórica, instrumento e modo de regulação da acção política. In A Autonomia das Escolas (pp. 23-48). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Barroso, J. (2018). A transversalidade das regulações em Educação: modelo de análise para o estudo das políticas educativas em Portugal. Educação & Sociedade, 39(145), 1075-1097. https://doi.org/10.1590/es0101-73302018214219

Costa, F. A. (2007). Tecnologias educativas: Análise das dissertações de mestrado realizadas em Portugal. Sísifo (3), 7-24.

Coutinho, C. P. (2016). Metodologias de Investigação em Ciências Sociais e Humanas. Coimbra: Almedina.

Lima, L. (2012). Elementos de hiperburocratização da administração educacional. Questões Atuais de Direito Local (5), 7-24.

Lascoumes, P., & Le Galès, P. (2012). A ação pública abordada pelos seus instrumentos. Pós Ciências Sociais, 9(18), 19-44.