Conceções sobre a supervisão pedagógica: prática(s) e teoria(s) de uma instituição pública

Main Article Content

Cristina Paula Garcia Ferreira Pinto
Daniela Gonçalves

Resumo

As mudanças alucinantes da sociedade e, por conseguinte, da escola enquanto organização perspetivam-nos dúvidas, incertezas, ao mesmo tempo que se configuram como um desafio. São muitos os entraves, alguns impostos por nós próprios, à construção de um saber experimentado e reflexivo. Consideramos que esta reflexividade está subjacente ao conceito de supervisão pedagógica, sendo essencial na supervisão horizontal (entre pares), que adquiriu uma maior importância fruto da alteração do Estatuto da Carreira Docente. Partindo destas premissas, esta investigação tem como grande finalidade compreender as perceções de três docentes e três coordenadores de departamento curricular, de um Agrupamento de Escolas do Distrito do Porto, relativamente à conceptualização da área de saber da supervisão pedagógica, para além do seu campo de atuação. Por outras palavras, e tendo em conta a atual organização da instituição escola, procurou-se compreender de que modo o coordenador de departamento exerce as funções de supervisão que estão inerentes ao seu desempenho, preconizadas na legislação hodierna. A par da compreensão destas perceções, são igualmente identificadas limitações na supervisão pedagógica, subvertendo toda a estratégia de desenvolvimento pessoal e profissional dos professores. Portanto, foi desenhado um estudo exploratório, pressupondo a seguinte intencionalidade: compreender e descrever limites e transgressões do ato supervisor, tendo em conta a perceção dos docentes, assim como as funções do supervisor pedagógico.

Palavras-chave: Supervisão pedagógica, Coordenador de departamento curricular, Funções do supervisor

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aires, L. (2011). Paradigma qualitativo e práticas de investigação. Acedido em http://hdl.handle.net/10400.2/2028

Alarcão, I., & Tavares, J. (2010). Supervisão da prática pedagógica: uma perspectiva de desenvolvimento e aprendizagem. Coimbra: Almedina.

Alarcão, I., & Roldão, M. C. (2008). Supervisão. Um contexto de desenvolvimento profissional de professores. Mangualde: Edições Pedago.

Alarcão, I. & Canha, B. (2013). Supervisão e colaboração. Uma relação para o desenvolvimento. Porto: Porto Editora. Coleção NovaCIDInE.

Alarcão, I. (2019). A supervisão na vida das escolas. In A escola de Aprender. Contributos para a sua construção. Castelo Branco: IPCB, pp. 3-10.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bogdan, R., & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação. Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Flores, M. A. (2010). Algumas reflexões em torno da formação inicial de professores. Educação, 33(3), 182-188.

Fullan, M., & Hargreaves, A. (2001). Porque é que vale a pena lutar? O trabalho de equipa na escola. Porto: Porto Editora.

Krejsler, J. (2005). Professions and their Identities: How to explore professional development among (semi-)professions. Scandinavian Journal of Educational Research, 49(4), 335- 357. https://doi.org/10.1080/00313830500202850

Gonçalves, D. (2010). Complexidade e identidade docente: a supervisão pedagógica e o (e)portfólio reflexivo como estratégia(s) de formação nas práticas educativas do futuro professor. Um estudo de caso. Universidade de Vigo, Tese de Doutoramento.

Gonçalves, D. (2017). Monitorização da prática letiva e desenvolvimento profissional. In II Encontro Internacional de Formação na Docência (INCTE): livro de atas (pp. 734-738). Bragança: Instituto Politécnico. Disponível em http://hdl.handle.net/10198/4960

Gonçalves, D., & Nogueira, I. C. (2017). A indução de novas práticas supervisivas no docente no espaço superior de educação superior. In 1.ª Conferência Internacional da Secção de Educação Comparada da Sociedade Portuguesa de Ciências de Educação (SPCE-SEC), A Educação Comparada para além dos números: contextos locais, realidades nacionais, processos transnacionais (pp. 652-659). Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas.

Gonçalves, D., & Nogueira, I. C. (2019). Eixos estruturantes do desenvolvimento profissional docente. In N. Fraga (Org.), CIEC 2018 – II Conferência Internacional de Educação Comparada. Funchal: CIE-Uma, pp. 525-536.

Hargreaves, A. (1998). Os professores em tempo de mudança. Lisboa: McGraw-Hill.

Lessard-Hébert, M., et al. (1994). Investigação qualitativa: Fundamentos e práticas. Lisboa: Instituto Piaget.

Lopes, J. (1996). Tristes escolas. Porto: Afrontamento.

Ministério da Educação e Ciência, Decreto-Lei n.º 41/2012 de 21 de fevereiro.

Perrenoud, P. (2000). Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed Editora.

Quivy, R., & Campenhoudt, L. V. (1992). Manual de investigação em Ciências Sociais – Trajectos. Lisboa: Gradiva.

Sá-Chaves, I., et al. (1999). A mais-valia formativa das estratégias de supervisão vertical e horizontal. In Actas do I Congresso Nacional de Supervisão. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Sá-Chaves, I. (2007). Cultura, conhecimento e identidade – Universidade e contemporaneidade. Saber (e) Educar, n.º 12, Porto: ESEPF (9-28).

Sergiovanni, T. (1996). Novos caminhos para a liderança escolar. Porto: Asa.

Teodorson, G. A., & Teodorson, A. G. (1970). A Modern Dictionary of Sociology. Acedido em http://books.google.pt/books?id=A8IOAAAAQAAJ&pg=PA142.

Vieira, F., et al. (2010). No caleidoscópio da supervisão: Imagens da formação e da pedagogia. Mangualde: Edições Pedagogo.

Vieira, F., & Moreira, M. A. (2011). Supervisão e avaliação do desempenho docente: Para uma abordagem de orientação transformadora. Lisboa: Ministério da Educação, Conselho Científico para a avaliação de professores.

Vitón, M. J., & Gonçalves, D. (2014). Práctica docente en la enseñanza universitaria, reflexión de saberes y aprendizaje transformativo. In Santos Janneth (Coord.), Didáctica actual para enseñanza superior. Madrid: Editorial, pp. 525-542.

Yin, R. (2005). Estudo de caso – Planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.