A relação pedagógica a partir do olhar de futuros professores: implicações do(s) ambiente(s) de ensino e aprendizagem

Main Article Content

Ilda Freire-Ribeiro
Elza Mesquita

Resumo

O ambiente de aprendizagem expressa claramente as intenções do professor que, recorrendo à planificação, concebe e desenvolve o currículo e circunscreve as atividades, com o objetivo de facilitar às crianças a construção de novas aprendizagens. O ambiente envolve amplas dimensões (temporal, espacial, relacional, de recursos e estratégias) que, no seu conjunto, poderão contribuir para tornar o espaço educativo mais apelativo e facilitador de motivação e participação. O estudo apresentado envolveu oito estudantes do 2.º ano do curso de Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico (1.º CEB), de uma Escola Superior de Educação do Nordeste de Portugal. Teve como principal objetivo perceber a importância que os estudantes (futuros professores) atribuem ao ambiente de aprendizagem e a influência que este pode ter, quer na fomentação disciplinar, quer na construção de uma relação pedagógica positiva, participante e cúmplice. A recolha de informação assentou na técnica do inquérito, através da aplicação de um questionário com questões abertas. O estudo seguiu o paradigma de investigação qualitativa e análise de conteúdo dos dados. Salienta-se que estes estudantes valorizam ambientes de aprendizagem inovadores e significativos, procurando estimular comportamentos positivos através de uma boa gestão da relação pedagógica.

Palavras-chave: Ambientes de aprendizagem, Perceções dos futuros professores do 1.º CEB, Relação pedagógica, Prática pedagógica

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amado, J. (2000). A construção da disciplina na escola – Suportes teórico-práticos. Porto: Edições Asa.

Amado, J., & Freire, I. (2009). A(s) indisciplina(s) na escola – Compreender para prevenir. Coimbra: Almedina.

Amado, J., & Freire, I. (2013). Uma visão holística da(s) indisciplina(s) na escola. In J. Machado & J. M. Alves (Orgs.). Melhorar a escola. Sucesso escolar, disciplina, motivação, direção de escolas e políticas educativas. Porto: FEP/UCP.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Delors, J., et al. (2005). Educação: Um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação (9.ª ed.) Porto: Edições Asa.

Curwin, R., L., Mendler, A. N., & Mendler, B. D. (2008). Discipline with Dignity: New challenges, new solutions. Virginia: ASCD Member Book.

Estrela, M. T. (2002). Relação pedagógica, disciplina e indisciplina na aula. Porto: Porto Editora.

Freire-Ribeiro, I., & Mesquita, E. (2019). Ambiente(s) de ensino e aprendizagem: A perceção dos futuros professores. In I. Cabral, J. Machado, C. Palmeirão, I. Baptista, J. Azevedo, J. Matias Alves & M. C. Roldão (Orgs.), Educação, territórios e desenvolvimento humano: Atas do III Seminário Internacional (pp. 93-104). Porto: Faculdade de Educação e Psicologia – Centro de Investigação para o Desenvolvimento Humano, Universidade Católica Portuguesa-Porto.

Lemos, P. (2018). (Des)Encontros com a indisciplina. Revista de Educação. Geográfica | UP, n.º 3, 7‐38. https://doi.org/10.21747/21840091/3a1

Lopes, J. A. (2013). A indisciplina em sala de aula. In Fundação Francisco Manuel Fernandes (ed.), Indisciplina na escola (pp. 39-67). Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Mesquita, E. (2015). Ver, ouvir e saber: O lugar da competência nos modelos de formação inicial de professores. In J. D. Justino (dir.) & M. Miguéns (coord.), Formação inicial de professores (pp. 292-303). Lisboa: Conselho Nacional de Educação. Acedido em http://www.cnedu.pt/content/edicoes/seminarios_e_coloquios/LivroCNE_FormacaoInicialProfessores_10dezembro2015.pdf.

Mesquita, E., & Roldão, M. C. (2019a). A supervisão como dispositivo de desenvolvimento profissional e transformação de práticas. In E. Mesquita, M. C. Roldão & J. Machado (orgs.), Prática supervisionada e construção do conhecimento profissional (pp. 13-39). Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão.

Mesquita, E., & Roldão, M. C. (2019b). Influência(s) da supervisão pedagógica nas práticas de ensino dos futuros professores. In I. Cabral, J. Machado, C. Palmeirão, I. Baptista, J. Azevedo, J. Matias Alves & M. C. Roldão (orgs.), Educação, territórios e desenvolvimento humano: Atas do III Seminário Internacional (pp. 559-577). Porto: Faculdade de Educação e Psicologia – Centro de Investigação para o Desenvolvimento Humano, Universidade Católica Portuguesa-Porto.

Morgado, J. (2003). Qualidade, inclusão e diferenciação. Colecção Teses/11. Lisboa: Edições I.S.P.A.

Ribeiro, M. C. (2016). O desenvolvimento da competência relacional e de gestão de sala de aula, em contextos de supervisão: Um estudo com professores-estagiários, no 1.º ciclo do ensino básico. Lisboa: Instituto de Educação, Universidade de Lisboa (Tese de doutoramento não publicada). Acedido em http://hdl.handle.net/10451/23632.

Silva, P., & Neves, I. (2006). Compreender a (in)disciplina na sala de aula: uma análise das relações de controlo e de poder. Revista Portuguesa de Educação, v.19 n.º 1, 5-41. Acedido em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpe/v19n1/v19n1a02.pdf.

Sousa, A. B. (2005). Investigação em educação. Lisboa: Livros Horizonte.